Skip to content

Agricultura Orgânica:Tudo que você precisa saber

Agricultura orgânica  é um sistema importantíssimo de produção onde é preciso nos dias de hoje saber como funciona e aprofundar mais o assunto afim de ficar atento a essa nova prática muito mais viável e sustentável.



Aliado a isso, segue abaixo assuntos  de extrema importância que você precisa saber:


O que é agricultura orgânica

agricultura organica

A agricultura orgânica é uma prática sustentável de se utilizar o solo para a sua produção, ou seja, uma forma que garante preservação dos recursos naturais para nosso futuro.




O principal objetivo da agricultura orgânica é garantir a saúde dos alimentos, diminuindo ou eliminando a adição de agrotóxicos e outros produtos químicos durante a sua  produção.

A agricultura orgânica sustenta a saúde dos solos, dos ecossistemas e das pessoas. Baseia-se em princípios de ecologia, biodiversidade e processos adaptados às condições locais. A agricultura orgânica combina tradição, novidade e tecnologia beneficiando  uma boa qualidade de vida para todos.

 

Diferenças entre agricultura orgânica e a convencional

agricultura organica pontos positivos e negativos

A principal diferença entre o cultivo orgânico e o cultivo convencional é no uso de fertilizantes, agrotóxicos e pesticidas para a aceleração do processo do cultivo agrícola.




Além do uso de agrotóxicos, a prática das monoculturas, em que o agricultor faz o plantio de um único tipo – o que prejudica a recuperação e manutenção do solo.

A agricultura convencional, por se valer de formas e tecnologias artificiais para a proteção do plantio, é considerada muito agressiva tanto ao meio ambiente quanto à saúde.

Principais prejuízos ao meio ambiente, causados pelo uso descontrolado de agrotóxicos e fertilizantes:

Contaminação e degradação do solo,  desmatamento, contaminação de reservas de água subterrâneas, os lençóis freáticos;

O uso descontrolado dos fertilizantes nitrogenados, o terrível impacto do óxido nitroso sobre o desequilíbrio do efeito estufa.

Estudos comprovam danos causados pela ingestão de alimentos contaminados por quantidade exagerada de agrotóxicos, o que pode causar disfunções hormonais, má formação do feto e dificuldades no desenvolvimento das capacidades cognitivas, contaminação de leite materno, além de serem substâncias cancerígenas.

Encontramos na agricultura orgânica uma solução para minimizar esses riscos ja que a mesma não pratica o uso de agrotóxicos e pesticidas na sua produção, se ajusta as particularidades do local e utiliza ações naturais para a manutenção do cultivo.

Quatro princípios básicos da agricultura orgânica:

  • Culturas diversificadas: Desenvolvimento de uma diversidade de produtos, onde  equilibrará o solo como também vai garantir a variedade;
  • Aceitar a necessidade de se preservar os solos, os recursos naturais, os animais respeitando a natureza;
  • O solo deve ser respeitado pois é um organismo vivo e preservado fazendo a manutenção de seus nutrientes, micro-organismos e seres vivos.
  • Separar os sistemas produtivos: de modo a separar a produção agrícola dos sistemas industriais e comerciais, ao contrário da agricultura mecanizada;

tudo sobre agricultura organica

Quais são as práticas da agricultura orgânica

As práticas da agricultura orgânica, comprometidas com a sustentabilidade local e humana na terra, são:

  • Adubação orgânica e compostagem da matéria orgânica, que pela fermentação elimina micro-organismos como fungos e bactérias,  que podem existir em estercos de origem animal;
  • Manejo da vegetação local, como cobertura morta, rotação de culturas e cultivos protegidos para controle da luminosidade, temperatura, umidade, pluviosidade e intempéries;
  • Minhocultura, geradora de húmus com diferentes graus de fertilidade; manejo mínimo e adequado do solo com plantio direto, curvas de níveis.
  • Usar de forma racional a água de irrigação seja por gotejamento ou demais técnicas econômicas de água.
  • Uso da adubo verde com legumes fixadores de nitrogênio atmosférico;

caracterize agricultura organica

Qual a necessidade de utilizar agricultura orgânica

Com o constante aumento da população,  se faz necessário reavaliar a estabilização agrícola aumentando ainda mais uma forma sustentável de produção.

Os cientistas perceberam que a “Revolução Verde” com seu alto uso de insumos chegou ao seu máximo e agora é mantida com o menor retorno de seus recursos. Pensando agora num equilíbrio natural  se faz  necessário preservar a existência da vida a longo prazo. 

O uso da agricultura orgânica  é a solução mais lógica e urgente para que se consiga sustentar e renovar toda a produção agrícola dando um equilíbrio prolongando por muito mais tempo a vida no planeta.

As principais características da agricultura orgânica incluem

  • Usar fontes de nutrientes quase que insolúveis dão nutrientes de culturas  que ja estão disponíveis para a planta na ação de micro-organismos do solo.
  • Proteger  a fertilidade dos solos, mantendo os níveis de matéria orgânica equilibrados
  • Controlar as doenças, ervas daninhas e pragas dependendo de rotações de culturas, predadores, fertilização orgânica, variedades resistentes e intervenção térmica, biológica.
  • Reciclar materiais orgânicos, incluindo resíduos de culturas e fertilizantes de gado
  • Sistematizar o cultivo no ambiente mais amplo e conservando a vida selvagem e dos habitats naturais.
  • Gerir o gado, respeitando as suas adaptações de evolução, necessidades comportamentais do mesmo e de nutrição, habitação, saúde, criação e criação


Todo o processo é realizado de maneira a não empregar qualquer produto inorgânico que possa alterar a qualidade dos produtos cultivados. Assim, fertilizantes são trocados por adubos orgânicos e ações naturais de controle de pragas, entre outras formas de cultivo.

A Agricultura orgânica é Familiar?

Na verdade a agricultura orgânica acaba por ser na maioria das vezes ligada a agricultura familiar, com pequenos produtores que utilizam, quase sempre,o trabalho manual, sem recorrer a grandes maquinários.

Além do mais para as áreas de produção maiores, precisa-se uma grande quantidade de mão de obra, gerando mais empregos nos campos A maioria dos produtos cultivados envolve basicamente aqueles alimentos que são cotidianamente consumidos pelas famílias, como arroz, feijão, verduras, frutas etc.

As leis que regem a agricultura orgânica do Brasil

Segue abaixo as leis que regem o setor:

Lei nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003 e o Decreto nº 6.323, de 27 de dezembro de 2007.
Segundo a Lei nº 10.831:
“Art. 1º Considera-se sistema orgânico de produção agropecuária todo aquele em que se adotam técnicas específicas, mediante a otimização do uso dos recursos naturais e socioeconômicos disponíveis e o respeito à integridade cultural das comunidades rurais, tendo por objetivo a sustentabilidade econômica e ecológica, a maximização dos benefícios sociais;

A minimização da dependência de energia não-renovável, empregando, sempre que possível, métodos culturais, biológicos e mecânicos, em contraposição ao uso de materiais sintéticos, a eliminação do uso de organismos geneticamente modificados e radiações ionizantes, em qualquer fase do processo de produção, processamento, armazenamento, distribuição e comercialização, e a proteção do meio ambiente.”

De acordo com o Decreto nº 6.323:

Art. 3º São diretrizes da agricultura orgânica:

I – contribuição da rede de produção orgânica ao desenvolvimento local, social e econômico sustentáveis;

II – manutenção de esforços contínuos da rede de produção orgânica no cumprimento da legislação ambiental e trabalhista pertinentes na unidade de produção, considerada na sua totalidade;

III – desenvolvimento de sistemas agropecuários baseados em recursos renováveis e organizados localmente;

IV – incentivo à integração da rede de produção orgânica e à regionalização da produção e comércio dos produtos, estimulando a relação direta entre o produtor e o consumidor final;

V – inclusão de práticas sustentáveis em todo o seu processo, desde a escolha do produto a ser cultivado até sua colocação no mercado, incluindo o manejo dos sistemas de produção e dos resíduos gerados;

VI – preservação da diversidade biológica dos ecossistemas naturais e a recomposição ou incremento da diversidade biológica dos ecossistemas modificados em que se insere o sistema de produção, com especial atenção às espécies ameaçadas de extinção;

VII – relações de trabalho baseadas no tratamento com justiça, dignidade e eqüidade, independentemente das formas de contrato de trabalho;

VIII – consumo responsável, comércio justo e solidário baseados em procedimentos éticos;

Art. 3º São diretrizes da agricultura orgânica:Continuação

IX – oferta de produtos saudáveis, isentos de contaminantes, oriundos do emprego intencional de produtos e processos que possam gerá-los e que ponham em risco o meio ambiente e a saúde do produtor, do trabalhador ou do consumidor;

X – uso de boas práticas de manuseio e processamento com o propósito de manter a integridade orgânica e as qualidades vitais do produto em todas as etapas;

XI – adoção de práticas na unidade de produção que contemplem o uso saudável do solo, da água e do ar, de modo a reduzir ao mínimo todas as formas de contaminação e desperdícios desses elementos;

XII – utilização de práticas de manejo produtivo que preservem as condições de bem-estar dos animais;

XIII – incremento dos meios necessários ao desenvolvimento e equilíbrio da atividade biológica do solo;

XIV – emprego de produtos e processos que mantenham ou incrementem a fertilidade do solo em longo prazo;

XV – reciclagem de resíduos de origem orgânica, reduzindo ao mínimo o emprego de recursos não-renováveis;

XVI – conversão progressiva de toda a unidade de produção para o sistema orgânico.

A agricultura orgânica em nosso país

A agricultura orgânica já é praticada em cerca de 120 países. Na década de 90, o mercado brasileiro de produtos orgânicos cresceu cerca de 50% ao ano e, hoje, o Brasil é o segundo maior produtor do mundo, com cerca de 70% de suas vendas voltadas para o mercado externo.

A agricultura tradicional e mecanizada tem crescido no Brasil nos últimos anos. Ela prioriza a aceleração dos processos de produção agrícola e com bases em latifúndios e monoculturas.

As práticas artificiais são nocivas à saúde e causa grandes malefícios ao meio-ambiente. Podemos citar neste caso a soja,  onde sua produção é baseada na monocultura plantando um único produto em larga escala de terra. Deixando assim o solo pobre e contaminado. Já na agricultura orgânica se baseia na policultura com variadas especies onde equilibra a saúde do solo.

Ainda temos um longo caminho a percorrer para chegar ao nível de ter mais produtos saudáveis disponíveis sem produtos artificiais. Precisamos de muito investimento em politicas públicas adequadas que dêem prioridade a saúde do meio ambiente e da população.

Gostou? Compartilhe nas suas redes sociais…